O que não li ou ouvi: acreditei piamente em Sócrates, sempre tomei...

O que não li ou ouvi: acreditei piamente em Sócrates, sempre tomei como boa a sua palavra e sempre julguei que o estavam a denegrir.

Por isso o defendi com unhas e dentes, por vezes para além do razoável. É com enorme tristeza que constato que estava enganado. Sinto uma enorme vergonha por isso, e a todos peço desculpa: aos que me leram/ouviram e tomaram como boa a minha palavra em sua defesa, e aos que critiquei, porventura até ofendi, quando defendia de forma exacerbada alguém que, em retrospectiva, era um traste.


Foi isto que não li ou ouvi e que queria ter lido ou escutado. E era tão simples se realmente existisse vergonha ou arrependimento sem agenda política associada.

Paulo Gorjão