Por onde andam os “defensores” do povo?