Há meses que a situação se vem agravando.

Há meses que a situação se vem agravando.

Resultados das políticas de PS, BE e PCP, que re-nacionalizaram a empresa e agora não têm dinheiro para o serviço. Só para os sindicatos.

Opções.

Bem-vindos ao metro de Lisboa.

Aqui um sujeito paga 1,40€ por uma viagem.

Paga 6€ por um dia de “livre trânsito”.

35€ por um mês de passe.

Ou até 44€ por mês se pretender usar as linhas de comboio dentro da área urbana de Lisboa. (Ressalve-se que, quem precisar de se movimentar dentro do distrito de Lisboa: linhas de Sintra, Azambuja, Praias do Sado ou Cascais, poderá pagar até 97€/mês.)

Até aqui, tudo bem. Usufruímos, pagamos. Tudo correto.

Correto permaneceria se, as linhas de metro não estivessem SEMPRE atafulhadas de gente. Ora, é este cenário dantesco que acontece todos os dias. Vide a imagem anexada, fala por si só. (Autoria de Tomás De Aragão Mota na estação do Cais do Sodré)

A juntar a esta imagem, podem imaginar o caos que são os encontrões, os empurrões, o típico passar à frente “porque estou atrasada!”. “Oh minha senhora, também eu estou atrasada.” Todos estamos, perante este caos.


E não vale tão pouco a pena, dizerem que se vá mais cedo. Eu já fui mais cedo. O metro está caótico a manhã inteira e a tarde/noite inteira.

Em horas de ponta há metros a circular de 8 em 8 minutos! OITO, como é que é possível?! Pior, a linha verde, circula em hora de ponta com umas míseras TRÊS carruagens!!!

Já para não falar nas estações que “sofrem” de correspondência com linhas de comboio e/ou de outras linhas de metro. O caos a quadruplicar.

O serviço de transportes públicos é de magna importância para um bom funcionamento dos serviços públicos e privados do nosso país. Funcionários atrasados geram menor/inferior produtividade. Responsável por este efeito bola de neve de caos não acontecer? O bom desempenho dos transportes públicos. Pois é, dependemos do vosso bom trabalho e funcionamento.

Posto isto, meus caros senhores responsáveis pelos transportes, eu pago, é um dever pelo usufruto que possuo MAS, POR FAVOR, dignem-se a prestar um serviço digno. Pois esse, é um direito meu. Bom. Ou muito bom. Não razoável, muito menos mísero.

Grata.

Foto de Mariana Jardim De Vasconcelos.

Mariana Jardim De Vasconcelos em Metro De Lisboa.

Ontem às 13:39 · Lisboa, Distrito de Lisboa