Uma simples proposta para reduzir o deficit: Taxar o ridículo!