Portugal volta a ser a criança problemática da Europa

Portugal volta a ser a criança problemática da Europa

Com a indicação para primeiro ministro de um líder partidário derrotado copiosamente nas eleições de 4 de Outubro, Portugal passa a ser institucionalmente um país de derrotados. É penosamente poucochinho. Como se não bastasse, a nomeação de membros da seita Socrática para o Governo, torna Portugal mais perto da Venezuela do que da Grécia. Os portugueses anseiam que esta tragicomedia dure pouco, sob pena da Troika regressar com maioria absoluta.


 

5