Ó Costa, vale tudo pela sede de poder?